About Bruno Cavalcanti

Jornalista e cronista nascido em São Paulo em 04 de maio/ Journalist and writer borned in Sao Paulo (BR) on May, 04th.

Mas é tão Bonito

olhos-1

Foi presa – e indiciada – a modelo e empresária Luciana Hoepers acusada de formação de quadrilha e lavagem de dinheiro por seduzir políticos e prefeitos para participar de desvios de verba. A polícia federal estuda indica-la por mais, pelo menos, três outros crimes, e o comentário que ouvi de um amigo foi: eu pegava e casava. O argumento: mas ela é uma prisioneira federal cumplice da farra do dinheiro público. A resposta: dane-se, mas ela é gostosa. Hum.

Uma amiga se apaixonou e manteve um relacionamento instável com um rapaz que a traia a cada dois dias, sempre em uma balada diferente, e simplesmente sumia. Ao receber os recados que ela deixava na secretária eletrônica, ele respondia sempre da mesma forma: me esquece. Depois meses depois de eles terminarem, lá estava ela andando pra cima e para baixo com a figura. Quando questionada sobre o motivo de ter reatado a relação que continuava lhe fazendo mal, a resposta foi categórica: mas ele é tão bonito. Sei.

O Brasil é o país da estética, muito mais do que o país do Carnaval e um pouco menos que o país do futebol. Aqui, a pessoa não estiver com o corpo em dia para o próximo verão pode esquecer qualquer chance de se dar bem, seja no jogo, seja no amor. Mas a pergunta que não quer calar – a mim, pelo menos – é: desde quando a beleza se tornou desculpa para a falta de caráter? E o mau caratismo? Mentiras e problemas se desculpam com belos olhos verdes.

Nosso culto à estética do belo acima de tudo coloca em risco nossa vida – quem não se lembra das modelos que morreram ao entrar na faca, ou o incontável número de infartos causados pelos anabolizantes –, além de ser um tempo incrivelmente mal investido.

A beleza é desculpa também para a atual falta de conhecimento que assola a geração conectada. Não há problema em não saber os nomes ou os cargos de pelo menos três políticos condenados no julgamento do mensalão – ou o nome do ministro que deu mais uma chance aos quase condenados –, desde que seu corpo esteja com tudo em cima e muito bem definido. Um rostinho bonito também é essencial – mas nem tanto.

Quem se importa com os indicados ao Oscar quando se pode passam horas a fio fazendo abdominais para poder exibir o resultado na praia no fim do ano? E o que me diz da quebra econômica da Europa e da demissão de milhares de funcionários – público e privados –? Bom, a academia é no Brasil e continua funcionando às mil maravilhas, e o personal continua por lá. Anotado, crianças? Escolha bem as prioridades.

Vale mais no currículo uma barriga tanquinho que seja capaz de lavar um tapete pesa do que um curso de francês avançado. E, sejamos sinceros, caráter é artigo ultrapassado e quase sem valor no mercado – quase, graças – porque na nossa incrível geração Y, sem um belo corpinho ou um rostinho bonito para começar, desculpe, mas muito longe você não vai.

A menos que você seja rico e possa comprar o que quiser, aí o jogo é outro, mas isso é papo para outra realidade. Ah, vida cruel.

Advertisements